O Porquê das Palavras…

O Porquê das Palavras…

Na mensagem O Poder das Palavras, propusemo-nos refletir sobre as palavras utilizadas quando falamos ou escrevemos sobre as crianças com deficiência, tendo sido referido que serviria de base a uma outra mensagem, onde fundamentaríamos os conceitos subjacentes a essas palavras. Assim, nesta mensagem, após fundamentarmos teoricamente o modo como entendemos a deficiência e a importância… Continuar a ler

Nascemos com um temperamento? Qual a sua influência no nosso desenvolvimento?

Nascemos com um temperamento? Qual a sua influência no nosso desenvolvimento?

A evidência vulgarmente atribuída para a existência de um “temperamento único e fixo” resultada da experiência dos pais com o segundo filho: “criei dois filhos de forma igual e são totalmente diferentes”. Será verdade? Será que os pais criam dois filhos de forma semelhante? Na verdade, criam um filho mais velho a quem nasce um irmão e um filho mais novo que nasce no seio de uma família com crianças mais velhas. Quando nasce o… Continuar a ler

Contextos socialmente desfavorecidos: Desafios e recursos acrescidos?

Contextos socialmente desfavorecidos: Desafios e recursos acrescidos?

“Eu acho (…) que os miúdos são sempre desafiantes (…) tudo aquilo que nós fazemos aqui no jardim de infância é super importante para eles”. Estas foram afirmações de uma educadora de infância com quem falámos, sobre os desafios e oportunidades do trabalho com diferentes grupos de crianças. Trabalhar com qualquer grupo de crianças impõe… Continuar a ler

O pequeno e o grande grupo, a exploração livre e os momentos estimulantes em creche: Um jogo de equilíbrios

O pequeno e o grande grupo, a exploração livre e os momentos estimulantes em creche: Um jogo de equilíbrios

Durante o jogo livre, a educadora junta-se a um pequeno grupo de crianças que brinca com blocos e miniaturas de animais. A educadora ouve as ideias das crianças, questiona, adiciona informação e faz ligações com experiências prévias noutros contextos. Educadora e crianças apreciam a companhia uns dos outros. Os/as educadores/as planificam e organizam a rotina… Continuar a ler

O poder das palavras…

O poder das palavras…

Cenário 1 | As crianças da sala dos 5 anos brincam com alegria no exterior. O José é autista e o Manuel é deficiente motor, demonstrando sérias dificuldades para participar na brincadeira, pois o José isola-se e o Manuel não consegue deslocar-se na sua cadeira de rodas pelo espaço. Cenário 2 | As crianças da… Continuar a ler

O trauma em crianças pequenas: O que poderá um/a profissional na área da educação fazer?

O trauma em crianças pequenas: O que poderá um/a profissional na área da educação fazer?

Mensagem original disponível em EarlyYearsBlog.eu Quando a Zoe se juntou ao grupo, ela sentia-se assoberbada com tudo. Se outra criança se aproximava, ela batia ou mordia-lhe. Não falava e isolava-se das outras crianças. Manuela, um elemento da equipa educativa, foi de um modo progressivo e cuidadoso estabelecendo contacto com a Zoe, mostrando-lhe que a compreendia. Manuela… Continuar a ler

Eu não me zango, se tu não te zangares! Será a (Des)regulação emocional do bebé, do/a educador/a ou de ambos?

Eu não me zango, se tu não te zangares! Será a (Des)regulação emocional do bebé, do/a educador/a ou de ambos?

“Os bebés são todos diferentes! Aquele bebé chora muito…fico tão cansada ….aquele quase não chora até me esqueço. E este é o Pipo que me diverte muito porque é só sorrisos!” (observação de uma educadora estagiária). A forma como o bebé regula emoções afeta o seu bem-estar e desenvolvimento social, emocional e cognitivo, enquanto, molda… Continuar a ler

Como promover o envolvimento nas brincadeiras em creche e jardim de infância?

Como promover o envolvimento nas brincadeiras em creche e jardim de infância?

Autora: Liesl Veulemans, UCLL, Bélgica Mensagem original disponível em EarlyYearsBlog.eu.   É o primeiro dia de estágio da Ema numa creche. Ela observa rapidamente a sala. “Onde é que as crianças precisam de mim?” A Ema está em todo o lado e em lado nenhum da sala; ela anda – não, ela corre – de… Continuar a ler

Queres brincar comigo? As interações entre pares com e sem incapacidade no jardim-de-infância

Queres brincar comigo? As interações entre pares com e sem incapacidade no jardim-de-infância

Frequentemente, os/as educadores/as ao apresentarem ou descreverem os comportamentos de algumas crianças com necessidades adicionais de suporte, referem: gosta de brincar sozinho/a, isola-se, gosta de passear pela sala e observar o que os/as colegas estão a fazer, vê-se que gosta de estar na sala, os/as colegas gostam muito dele/a, é muito bem aceite. Este texto… Continuar a ler

Salvos pelo amor! Relações de vinculação e desenvolvimento

Salvos pelo amor! Relações de vinculação e desenvolvimento

Em qualquer idade receber e dar amor é fundamental. Intuitivamente, percebemos a importância de ter alguém em quem confiar, o valor de nos abrigarmos no amor dos outros, e de poder amar alguém de tal forma que esse amor é em si próprio estruturante. Na infância, o amor dos pais (geralmente, as figuras de vinculação),… Continuar a ler

De que forma pode um/a educador/a potenciar a brincadeira entre pares?

De que forma pode um/a educador/a potenciar a brincadeira entre pares?

O brincar de crianças pequenas tem sido alvo do interesse de investigadores/as de várias áreas do saber [1,2]. O que é brincar e como é que este aparece associado ao desenvolvimento de competências – por exemplo, sociais e emocionais – e ao bem-estar geral de crianças pequenas são questões que ocupam os/as profissionais/as e investigadores/as.… Continuar a ler

À mesa também se fala! As interações nos momentos das refeições em creche

À mesa também se fala! As interações nos momentos das refeições em creche

  Se as refeições em creche podem ser oportunidades únicas para estabelecer interações de elevada qualidade, elas podem constituir também um desafio, como vivenciou a educadora Mariana. A educadora Mariana andava preocupada por causa do almoço na creche onde trabalhava. As crianças almoçavam todas ao mesmo tempo, sendo o momento mais turbulento do dia. Então,… Continuar a ler