Vamos (re)começar? O foco no bem-estar emocional das crianças em creche e em jardim de infância

Vamos (re)começar? O foco no bem-estar emocional das crianças em creche e em jardim de infância

Uma das coisas que me deixam de coração cheio é ouvir o riso de crianças.    Rir, saltar de alegria, falar energicamente, sorrir, cantar, ter um olhar atento, de quem está a captar o mundo todo, são alguns dos sinais que traduzem o bem-estar emocional das crianças e que esperamos encontrar nos contextos de educação… Continuar a ler

Relações positivas e significativas no contexto de trabalho: Como cultivá-las?

Relações positivas e significativas no contexto de trabalho: Como cultivá-las?

A qualidade da relação que os/as educadores/as de infância estabelecem com colegas e com a direção/coordenação é um dos fatores que mais contribui para o seu bem-estar. De facto, a experiência de relações positivas com os outros (R – Relações) surge como um dos cinco elementos chave para o bem-estar ou florescimento dos indivíduos, de… Continuar a ler

Heróis antes do tempo: a prática pedagógica com o bebé de pré-termo

Heróis antes do tempo: a prática pedagógica com o bebé de pré-termo

A prematuridade é a principal causa de morte infantil peri e pós-parto. Cerca de 9% dos bebés nascem prematuramente, ou seja, com idade gestacional inferior a 37 semanas. O número de semanas de desenvolvimento intrauterino condiciona fortemente o desenvolvimento e saúde dos bebés. Com efeito, as complicações associadas a um nascimento prematuro agravam-se com a… Continuar a ler

SOS: Bem-estar de educadores/as de infância

SOS: Bem-estar de educadores/as de infância

A educadora Maria José é coordenadora pedagógica de um jardim-de-infância há mais de 20 anos e refere que nunca sentiu tantos desafios na sua atividade como no último ano. A pandemia veio agravar algumas das suas preocupações, sendo o bem-estar dos/as profissionais da instituição uma delas. Sabendo que os/as profissionais de educação, incluindo os/as educadores/as… Continuar a ler

Quando as crianças brincam sozinhas

Quando as crianças brincam sozinhas

Na mensagem De que forma pode um/a educador/a potenciar a brincadeira entre pares? vimos a definição de brincadeira, os diferentes tipos de brincar. Um dos tipos de brincadeira apresentada foi a brincadeira solitária, onde “a criança brinca sozinha com materiais ou ações escolhidas livremente”. Porém, serão todas as brincadeiras solitárias iguais? O que é a… Continuar a ler

“ele pensa se tiver lugar”: espaços e tempos filosóficos na infância?

“ele pensa se tiver lugar”: espaços e tempos filosóficos na infância?

A frase que citamos no título é do Miguel. No alto dos seus 5 anos, o Miguel respondia à pergunta de uma colega de turma sobre se um bebé pensa. Pensa?!, inquiríamos com o grupo de um Jardim de Infância, nos Açores, durante uma sessão semanal de filosofia. “Pensa se tiver lugar”, respondia o Miguel… Continuar a ler

Prato do dia: Alimentação com emoção

Prato do dia: Alimentação com emoção

“Não fica nada no prato”; “Se parares de chorar, dou-te um chocolate”; “Se comeres tudo, a seguir podes ir brincar”. Frases destas são o “prato do dia” de muitos momentos de refeição que envolvem adultos e crianças. Na hora das refeições, emoções e alimentos são ingredientes que se misturam. Com alguma frequência, nos contextos de… Continuar a ler

Memórias felizes do jardim de infância

Memórias felizes do jardim de infância

Já tive o privilégio de ser acolhida por educadores/as e crianças de dezenas de salas de creche e de jardim de infância. Em todas elas, aprendi algo novo sobre educação, desenvolvimento e aprendizagem! Contudo, há salas que ficam na memória, pelo que aprendi, pelo que vivi. Vou contar-vos sobre quatro salas e quatro educadoras de… Continuar a ler

Oportunidades de escolha – como cultivar a autodeterminação na infância?

Oportunidades de escolha – como cultivar a autodeterminação na infância?

“Quero trocar a fralda depois do mano” (…) “Começo a fazer dieta depois do fim-de-semana” As duas frases têm em comum a escolha e o sentido de controlo. Separa-as o tempo e todas as vivências que nos levam de uma criança que escolhe a um adulto que decide. A primeira situação é tipicamente instigada por… Continuar a ler

Ajudem-me a ajudar-vos: quando os pais estão separados

Ajudem-me a ajudar-vos: quando os pais estão separados

A prevalência de depressão clínica em adultos, cujos pais se divorciaram quando tinham entre 0 e 4 anos, é superior comparativamente a indivíduos em que os pais se separam noutras idades [1]. Em crianças mais pequenas, o divórcio pode ter quatro consequências: i) a exposição ao conflito que desencadeia a sensação de insegurança, ii) desestabilização… Continuar a ler

Participo… Porque tenho direito: Os direitos à participação em tempos de pandemia

Participo… Porque tenho direito: Os direitos à participação em tempos de pandemia

Os direitos à participação estão consagrados na Convenção sobre os Direitos das Crianças [1] e constituem um dos 3Ps. De facto, desde as idades mais precoces, as crianças têm o direito de expressar as suas ideias sobre os assuntos que lhes dizem respeito, vendo-as consideradas, sempre que apropriado, e de acordo com a sua idade… Continuar a ler

Alerta! Os direitos das crianças estão em risco

Alerta! Os direitos das crianças estão em risco

A Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC) [1] estabelece que esses direitos deverão estar garantidos em todas as circunstâncias e que, em situações de crise, quando as crianças se encontram particularmente em risco, deverão ser reforçados pelos estados. Efetivamente, nas situações de crise ou de emergência, os Direitos Humanos, particularmente os das crianças, encontram-se… Continuar a ler

Como promover a inclusão através da leitura de livros

Como promover a inclusão através da leitura de livros

Adaptado da publicação original de Ruth Heuvelman, EarlyYearsBlog.EU Examine os livros que o seu grupo tem. Que livros existem? Consegue ver a sociedade refletida nos livros ilustrados? Todas as crianças podem identificar-se com as histórias e as personagens principais? Pela leitura partilhada de livros, os/as educadores/as de infância podem combater o preconceito e promover a… Continuar a ler

Educação para a sustentabilidade – para além da “emersão” na natureza

Educação para a sustentabilidade – para além da “emersão” na natureza

Esta mensagem procura situar e problematizar a educação para a sustentabilidade para além da tradicional relação com a natureza. Um grande desafio para a investigação e para a prática na educação de infância e na educação para a sustentabilidade é a análise critica dos “regimes de verdade” [1] sobre as crianças, a infância, a natureza… Continuar a ler

“O que é que a criança faz?” – A importância de uma avaliação autêntica e sensível

“O que é que a criança faz?” – A importância de uma avaliação autêntica e sensível

No texto intitulado “O que é que a criança tem?” questionei a importância do diagnóstico para a prática diária nas creches e nos jardins de infância. No final da reflexão, deixei a promessa de propor um verbo alternativo para completar a pergunta “O que é que a criança___?”, mais relevante para a ação do/a educador/a.… Continuar a ler

“Não me vejo a dizer às pessoas para fazer. Eu faço com elas.” Liderança(s) em educação de infância

“Não me vejo a dizer às pessoas para fazer. Eu faço com elas.” Liderança(s) em educação de infância

As creches e os jardins de Infância são organizações e, em todas as organizações, a qualidade da liderança importa. Assim, devemos perguntar: Que tipos de liderança podem existir em educação de infância? Que competências devem ter os/as profissionais em posições de liderança nas creches e nos jardins de infância? Quais as especificidades da liderança em educação de infância? Continuar a ler

Como estabelecer parcerias colaborativas eficazes com as famílias?

Como estabelecer parcerias colaborativas eficazes com as famílias?

Para muitos profissionais de educação, o estabelecimento de uma parceria com a família é um desafio, especialmente nestes tempos de pandemia em que a interação com as famílias está limitada. Contudo, o estabelecimento de uma parceria promove: i) a participação positiva e o da família; ii) a qualidade das práticas educativas e o nível de… Continuar a ler

Frequentar o jardim de infância… será suficiente? Pistas sobre qualidade, assiduidade e participação social de crianças com incapacidades

Frequentar o jardim de infância… será suficiente? Pistas sobre qualidade, assiduidade e participação social de crianças com incapacidades

A qualidade pedagógica e a participação social das crianças em idade pré-escolar são fundamentais para o seu desenvolvimento, aprendizagem e autonomia [1, 2, 3]. Mas será suficiente, para as crianças, frequentarem o jardim de infância de forma assídua? Nesta mensagem, propomos-lhe uma reflexão sobre estes temas, com base em dados recentes da investigação1. Que pistas… Continuar a ler

Para quem acha que a creche é “SÓ” para trocar fraldas: a intencionalidade educativa em creche

Para quem acha que a creche é “SÓ” para trocar fraldas: a intencionalidade educativa em creche

Na creche passa-se demasiado tempo a trocar fraldas?! Trocar as fraldas é tarefa para despachar e… “toda a gente sabe trocar fraldas”?! Comentários como estes são comuns e encerram muitas ideias deturpadas sobre a creche e sobre o desenvolvimento nos primeiros anos de vida. Nesta mensagem, convido-vos a refletir sobre a importância das interações durante… Continuar a ler

Redescobrir o espaço exterior durante a pandemia Covid-19

Redescobrir o espaço exterior durante a pandemia Covid-19

O jardim de infância deve constituir-se como um espaço de conforto que transmita segurança, que se afirme como lugar de pertença e de experienciação e que garanta o desenvolvimento e a aprendizagem da crianças. Um espaço que privilegie a relação das crianças com o exterior e com a natureza [1].  No contexto atual, a importância dos espaços exteriores nas experiências das crianças é ainda mais… Continuar a ler

Cartografias infantis: uma outra forma de investigarmos com as crianças

Cartografias infantis: uma outra forma de investigarmos com as crianças

Uma aprendizagem que podemos retirar do momento atual que vivemos é, de certa forma, a necessidade de aprendermos a habitar o desconhecido, o indeterminado [1]. Esta mensagem procura dar a conhecer a metodologia cartográfica como uma proposta de investigação-intervenção que (re)configura a agência infantil a partir de um ethos que não pressupõe respostas pré-determinadas ou ideias à… Continuar a ler

O Porquê das Palavras…

O Porquê das Palavras…

Na mensagem O Poder das Palavras, propusemo-nos refletir sobre as palavras utilizadas quando falamos ou escrevemos sobre as crianças com deficiência, tendo sido referido que serviria de base a uma outra mensagem, onde fundamentaríamos os conceitos subjacentes a essas palavras. Assim, nesta mensagem, após fundamentarmos teoricamente o modo como entendemos a deficiência e a importância… Continuar a ler