Jogos estruturados com os pais promovem a autorregulação
O poder dos jogos

Autora: Astrid Cornelis (Thomas More, Bélgica)

Mensagem original disponível em EarlyYearsBlog.eu.

Jogar é simples, barato e divertido. Além disso, um estudo recente mostra que as crianças com comportamentos desafiantes beneficiam em jogar com os pais [1].

Brincar com os pais ajuda as crianças com comportamentos desafiantes

E se as crianças com comportamentos desafiantes jogarem com os pais durante meia hora por dia? Será que isso influencia o seu comportamento? Será que fazer um jogo simples de memória ou um jogo de exercícios em conjunto ajuda as crianças? E será que fazer isso tem os mesmos resultados que participar num programa de apoio aos pais? Essas questões foram investigadas num estudo com crianças com comportamentos desafiantes [1]. Os resultados? Fazer jogos estruturados em conjunto durante meia hora por dia funcionou tão bem quanto o conhecido programa de apoio aos pais Triple P (Programa de Parentalidade Positiva): os pais relataram menos hiperatividade, problemas de atenção e agressão. E essa diminuição de problemas manteve-se 12 meses após a intervenção.

Uma lição importante para a educação de infância é que os/as profissionais podem apoiar as crianças com comportamentos desafiantes e os seus pais, não apenas através de programas educacionais específicos, mas também incentivando-os a jogar juntos. Trata-se de uma abordagem muito simples, barata e acessível, que pode ser implementada nas rotinas diárias.

Alguns exemplos dos jogos utilizados no estudo:

  • Jogo em que os jogadores se movem à velocidade de um determinado animal: chita (rápida), girafa (velocidade média), tartaruga (lenta)
  • Jogo da macaca: atirar uma pedra para um quadrado e pular na sua direção
  • Jogo de memória

A lista completa de jogos pode ser encontrada aqui.

Jogos estimulam a autorregulação

Muitas crianças com comportamentos desafiantes têm dificuldades em autorregular-se. Trata-se de competências essenciais para concentrar a atenção, regular as emoções e direcionar o comportamento. Ao fazer jogos estruturados, as crianças aprendem a concentrar-se na bola, a aguardar a sua vez, a planear o próximo passo e a lidar com a frustração quando as coisas não correm bem ou não correm como esperado. Apesar dos benefícios óbvios, as crianças passam pouco tempo a brincar [2]. Horários sobrecarregados e mais tempo despendido com ecrãs limitam o tempo para jogar em família. No entanto, “simplesmente fazer jogos em conjunto” é benéfico para o desenvolvimento da autorregulação de crianças em idade pré-escolar.

A autorregulação é uma competência essencial

As dificuldades de autorregulação na infância estão associadas a inúmeras dificuldades na aprendizagem e no desenvolvimento, incluindo maior probabilidade de problemas de saúde e maior probabilidade de desemprego, crime e pobreza na vida adulta. Segundo Healey [1], “A autorregulação é essencial para a maturidade e para o sucesso na escola. É necessário ficar quieto, não gritar respostas, continuar uma tarefa, lidar com frustrações e aprender a dar e receber no contexto das relações sociais. Quando melhoramos a capacidade de autorregulação das crianças, podemos mudar a vida de muitas pessoas.”

Como podem os/as educadores/as promover a realização de jogos?

  • Convide regularmente as crianças com comportamentos desafiantes a fazer jogos em pequeno grupo sob sua orientação. Dessa maneira, elas aprendem competências importantes de autorregulação, como esperar a vez, lidar com a frustração e cumprir o que foi combinado.
  • Informe os pais sobre a importância de realizar jogos estruturados em conjunto com os filhos. Nem todos os pais estão cientes disso. Porque é que a brincadeira é importante para o filho? Dê alguns exemplos de jogos e informe sobre o que as crianças aprendem com isso.
  • Convide os pais para realizar um jogo com um pequeno grupo de crianças na sala. “Pais ou avós de jogo” garantem que há uma maior probabilidade de fazer jogos em pequeno grupo e, simultaneamente, os pais percebem o quanto as crianças em idade pré-escolar aprendem com os jogos.
  • Envie um “saco de jogo” para casa. Pode ser um pretexto para realizar jogos em família. O saco pode conter o material do jogo, a explicação do jogo e um inventário do conteúdo do saco. Escolha jogos simples e materiais resistentes.
  • Organize uma “atividade especial”. Os pais podem participar nessa atividade pais-filhos. Ao realizar uma rodada de jogos de mesa, jogos de movimento,… os pais ficam a conhecer jogos que podem brincar com seus filhos e experimentam as oportunidades de aprendizagem dos jogos.

Sugestão de leitura

Jensen, H., Pyle, A., Zosh, J. M., Ebrahim, H. B., Zaragoza Scherman, A., Reunamo, J., & Hamre, B. K. (2019). Play facilitation: the science behind the art of engaging young children (white paper). The LEGO Foundation, DK. Páginas 16-17 sobre os benefícios dos jogos.

Referências

[1] Healey D. & Healey M. (2019). Randomized Controlled Trial comparing the effectiveness of structured play (ENGAGE) and behavior management (TRIPLE P) in reducing problem behaviors in preschoolers. Scientific Reports. Consultado em 25 de Abril de 2019 em https://www.nature.com/articles/s41598-019-40234-0

[2] Ginsburg, KR Committee on Communications, Committee on Psychological Aspects of Child and Family Health. The importance of play in promoting healthy child development and maintaining strong parent-child bonds. Pediatrics, 119, 182-191 (2007). 

Outras fontes

Tradução e adaptação: Cecília Aguiar

O poder dos jogos estruturados para crianças com comportamentos desafiantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.