A educação ambiental para a sustentabilidade, presente em numerosos projetos desenvolvidos pelas escolas, constitui atualmente uma vertente fundamental da educação, como processo de sensibilização, de promoção de valores e de mudança de atitudes e de comportamentos face ao ambiente [1].

Na Conferência das Nações Unidas sobre o Homem e o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo, em 1972, começou a perceber-se que o rápido crescimento da economia e da população mundial ameaçava colidir com os recursos finitos e com os ecossistemas frágeis da Terra. Um desenvolvimento sustentável é, assim, o desafio central do nosso tempo [2]. Dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos em 2015 pelas Nações Unidas, cinco têm um foco específico nas questões ambientais [3]:

  • ODS 7. Garantir acesso a fontes de energia fiáveis, sustentáveis e modernas para todos;
  • ODS 12. Garantir padrões de consumo e de produção sustentáveis;
  • ODS 13. Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos;
  • ODS 14. Conservar e usar de forma sustentável os oceanos, mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável;
  • ODS 15. Proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, travar e reverter a degradação dos solos e travar a perda de biodiversidade.

Porque é importante a educação ambiental?

Um dos principais objetivos da educação ambiental é o desenvolvimento do espírito crítico, bem como a consciencialização dos problemas ambientais, procurando transformar pessoas e comunidades passivas em agentes ativos, capazes de refletir e de apresentar soluções para os problemas [4]. Esta educação é tanto mais importante se considerarmos que as crianças podem durante mais tempo participar e influenciar o futuro, com práticas sustentáveis, num constante exercício de cidadania tanto no contexto familiar como no contexto social em que estão inseridas [5]. Através da abordagem de questões ambientais, as crianças podem discutir opiniões, atitudes, vivências, sentimentos, realizar investigações e adquirir conhecimentos e competências que podem utilizar ao longo da sua vida, agindo local ou globalmente sobre o ambiente [6].

As Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, na Área de Conhecimento do Mundo, também expressam a relevância da educação ambiental: “O contacto com seres vivos e outros elementos da natureza e a sua observação são normalmente experiências muito estimulantes para as crianças, proporcionando oportunidades para refletir, compreender e conhecer (…). Este conhecimento poderá promover o desenvolvimento de uma consciencialização para a importância do papel de cada um na preservação do ambiente e dos recursos naturais. [7]”.

Como podemos promover o respeito e o cuidado pelo meio ambiente? [7]

  • Disponibilizar e envolver as crianças e as famílias na recolha de materiais naturais (sementes de frutos, de cereais e de outras plantas, rochas diversas) e outros materiais (metais, plásticos, papéis, vidro).
  • Disponibilizar livros, mapas, imagens, filmes, documentos diversos para consulta.
  • Utilizar situações do quotidiano para questionar e promover a reflexão e interpretação das crianças sobre os fenómenos do meio físico e natural (a planta da sala que murchou, a queda de granizo).
  • Criar oportunidades frequentes e diversificadas de contacto das crianças com a natureza, levando-as a observá-la, a conhecê-la e a apreciá-la.
  • Promover a participação e responsabilidade das crianças no cuidado e proteção de seres vivos dentro e fora da escola (cuidar de plantas, de animais ou da horta na escola; cuidado com ninhos, plantas e animais nos jardins, parques e espaços verdes fora da escola).
  • Facilitar a discussão e reflexão sobre os efeitos favoráveis e desfavoráveis da ação das pessoas sobre o ambiente.
  • Explorar a noção de energia e a diferença entre fontes de energia renovável e não renovável.
  • Promover hábitos diários de cuidado do meio ambiente (apanhar lixo do chão, fechar as torneiras, apagar as luzes, evitar os descartáveis, reciclar, compostar).

Como ajuda as crianças a conhecerem e valorizarem o meio ambiente? Aproveita situações que ocorrem na sua sala e na comunidade para promover o respeito e proteção pelo meio ambiente?

Referências

[1] Ministério da Educação. (2018). Referencial de Educação Ambiental para a Sustentabilidade para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral da Educação (DGE).

[2] Sachs, J. (2015). The age of sustainable development. New York, NY: Columbia University Press. [3] https://sustainabledevelopment.un.org/sdgs

[4] Gonçalves, F., Pereira, R., Azeiteiro, U., & Pereira, M. (2007). Atividades práticas em ciência e Educação Ambiental. Lisboa: Instituto Piaget.

[5] Folque, M. A., Aresta, F. & Melo, I. (2017). Construir a Sustentabilidade a partir da infância. Cadernos de Educação de Infância, 112, 82 – 91.

[6] Fialho, I. (2008). Promover a educação ambiental no Jardim-de-Infância. Algumas propostas. Comunicação apresentada no 5º Encontro de Educadores de Infância e Professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico, Areal Editores, Porto.

[7] Lopes da Silva, I., Marques, L., Mata, L., & Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral da Educação (DGE).

Educação Ambiental nos jardins de infância? Sim, urgentemente!

Margarida Fialho

Mestre em Psicologia Educacional, os principais interesses de investigação centram-se na qualidade da educação na primeira infância e no desenvolvimento social e emocional das crianças (em particular, as competências sociais, a aceitação social e a regulação emocional).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *