A praia pode, e deve, ser usada todo o ano por famílias e por escolas. Portugal tem uma costa marítima de quase 2000 km e praias lindas. Contudo, as praias são usadas sobretudo no verão. Talvez seja tempo de mudar!

A praia é bonita, excitante de todos os sentidos, divertida, diversa em fauna e flora, desafiante física e cognitivamente e nela temos mais qualidade de vida [1]. Na praia, a criança pode fazer inúmeras brincadeiras diferentes, exercitando desse modo todas as áreas do seu desenvolvimento. A criança pode:

  • construir na areia;
  • tomar banho ou brincar com a água e as ondas do mar;
  • aprender sobre fauna, flora, ecossistemas e sustentabilidade;
  • correr e andar livremente (com a supervisão do adulto), exercendo autonomia e autodeterminação;
  • fazer amizades;
  • contactar com diferentes texturas, paladares e cores;
  • fazer rodas e pinos;
  • divertir-se, sentir prazer, alegria e empolgamento.

Os benefícios da ida à praia para a criança em idade pré-escolar são vários e importantes. Do ponto de vista motor, são tantos que é difícil enumerar, mas sublinho o andar na areia. A areia não é uma superfície plana e uniforme (como geralmente acontece nos espaços fechados ou estruturados). A marcha em superfícies irregulares é mais exigente em termos de equilíbrio, lateralidade e em reflexos e, portanto, um importante exercício.

Por outro lado, o contacto com o ambiente marinho, carregado de sais minerais e com a luz solar que estimula a produção de vitamina D, traz benefícios em termos alérgicos, respiratórios e imunitários [2]. Quanto ao comportamento, são exercitadas muitas competências. Por exemplo, o contacto com a incerteza das ondas (quanto ao tempo e à força do seu regresso) ajuda a promover competências de autorregulação. Entre o entusiamo de esperar e procurar pela onda, e a excitação de lhe fugir, a criança aprende a dosear a sua resposta, bem como a conhecer e a respeitar limites. E claro, o uso da praia é fundamental para uma educação ambiental e para sustentabilidade.

Em suma, a praia oferece liberdade, prazer e conhecimento. Por isso, é um recurso desperdiçado quando só a usamos no verão. Eis algumas ideias para o seu uso noutras épocas do ano:

Embora a exposição a ultravioletas seja maior no verão e as praias estejam lotadas, o que dificulta alguns usos da praia (e até a supervisão das crianças), geralmente usamos a praia no verão. O desafio deste post, para quem está perto da praia, é fazer uso dela todo o ano.

Votos de boas idas à praia!

Referências

[1] Ashbullby, K. J., Pahl, S., Webley, P., & White, M. P. (2013). The beach as a setting for families’ health promotion: a qualitative study with parents and children living in coastal regions in Southwest England. Health & place23, 138–147. https://doi.org/10.1016/j.healthplace.2013.06.005

[2] Villanueva, K., Badland, H., Hooper, P., Koohsari, M.J., Mavoa, S., Davern, M., Roberts, R., Goldfeld, S., Giles-Corti, B., 2015. Developing indicators of public open space to promote health and wellbeing in communities. Applied Geography 57, 112–119.. https://doi.org/1010.1016/j.apgeog.2014.12.003


Acabou o Verão, vamos para a praia! A exploração da criança e as atividades pré-escolares na praia

Marina Fuertes

Marina Fuertes é Professora Coordenadora com Agregação da Escola Superior de Educação (Instituto Politécnico de Lisboa) e membro integrado do Centro de Psicologia da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP). É doutorada e mestre em Psicologia com pós-doutoramento na Harvard Medical School. Obteve vários financiamentos e prémios científicos tendo publicado diversos artigos – recentemente na Developmental Psychology.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.