Mensagem original disponível em EarlyYearsBlog.eu, escrita por Liesbeth Van Dael (Thomas More)

Uma publicação breve para todos os profissionais de educação de infância que dão um passo no escuro, por estes dias. Como organizar algum tipo de ensino a distância? Que formas alternativas pode usar para manter o contacto com o seu grupo de crianças em idade pré-escolar?

Por um lado, já existem muitas plataformas que pode usar. Gostaria de deixar três exemplos, embora existam dezenas que podem ser explorados:

  • Langaroo, para estimular a linguagem em casa, através da visualização conjunta de histórias e da discussão de questões, no idioma preferido da família. Disponível em inglês, holandês, turco, árabe e polaco.
  • Hopster – safari de codificação, para estimular o pensamento lógico em crianças de 3 anos
  • Kit da Rua Sésamo com diversos jogos, músicas e aplicações para estimular o desenvolvimento socioemocional

(Estes exemplos são boas práticas, mas não comprovadas cientificamente)

A oferta existente pode permitir às crianças passar o tempo, mas o contato direto com SEU/SUA educador(a) ou cuidador(a) continua a faltar. As crianças em idade pré-escolar atravessam um período de muitas incertezas e poderão sentir-se preocupadas ou com medo. Enquanto educador(a), pode assumir um papel de suporte, familiar e tranquilizador. Talvez uma das seguintes ideias possa ser uma forma de, ocasionalmente, fazer com que as crianças recebam notícias suas:

  • Para além dos existentes canais de YouTube, pode também criar seu próprio canal, publicando regularmente um vídeo.
  • Talvez a sua escola ou jardim de infância tenha uma plataforma de aprendizagem digital que possa usar na comunicação com as crianças.
  • Se não for esse o caso, também pode, por exemplo, criar sua própria página de Facebook
  • Criar um blog: “O que faz o(a) educador(a), agora que que as crianças não podem vir ao jardim de infância?
  • Enviar um email com uma newsletter ao seu grupo de crianças. Use fotos, ícones…

Pense com cuidado sobre o meio de comunicação que escolher. A melhor opção será a que inclui a possibilidade de as crianças reagirem de alguma forma (com uma pequena ajuda dos pais). Assim, também ficará informado sobre o dia-a-dia das crianças, durante estas semanas-extra de “férias”.

Imagem de Harrison Haines, em Pexels.com

Ok, existem estes diferentes canais, mas… e o conteúdo?

  • Se tem uma boneca, pode deixá-la embarcar numa aventura. Pense no tema que estava a trabalhar (por exemplo, o Dia do Pai, a Páscoa, os ovos…) e pense numa boa impressão que a boneca pode causar nas crianças. Faça um filme, uma animação, um diário fotográfico… e as crianças, através da sua imaginação, poderão passear com a boneca.
A boneca Júlia em Aventura no jardim
  • Para além de trabalhar um tema, pode também pode sugerir atividades que as crianças possam fazer em casa: trabalhos manuais simples, quebra-cabeças que possa indicar, livros (digitais) divertidos…
  • Pense em desafios para o seu grupo de crianças:
    • Quem será que constrói a torre mais alta?
    • Quem consegue fazer a posição de ginástica mais difícil?
    • Quem consegue fazer um bonito cesto de Páscoa?
    • Quem está vestido da forma mais engraçada?
  • Desenvolva rotinas diárias com as crianças. Talvez possa cantar as habituais músicas da manhã, para que as crianças possam ouvi-las, todos os dias. Ou, quem sabe, talvez possa gravar um verso engraçado, normalmente usado para encaminhar o grupo de crianças para a casa de banho.
  • Reúna algumas aplicações educativas (gratuitas) que os pais possam instalar. Talvez existam algumas aplicações, que usa na sua sala e que as crianças conhecem, mas os pais não. Deste modo, levará um pouco da sala de jardim de infância até às crianças.

Uma observação importante

Graças a todas estas novas ferramentas digitais, tem-se tornado muito mais fácil manter o contato, mesmo durante a epidemia de Covid-19, MAS… não se esqueça das famílias desfavorecidas.

Pense, com cuidado, se tem um endereço de e-mail de todos os pais, para que os possa informar sobre as suas iniciativas. Caso contrário, ouse voltar ao método antigo. Imagine quão divertido seria, para a pequena Maria ou para o Luís, receberem uma mensagem do(a) educador(a) na caixa de correio? As possibilidades são um pouco menos vastas, mas a ligação entre educador(a) e criança, essa, é enorme!

Caros profissionais de educação de infância: estão atualmente numa posição difícil, mas lembrem-se de que são estimados! Partilhem connosco as vossas ideias e experiências, especialmente em relação às famílias desfavorecidas.

Como manter contato com as crianças em idade pré-escolar, e incluir famílias desfavorecidas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.